1 ano de dieta ou 5 lições que aprendi com a Dukan

Parece que foi ontem que deixei um pouco a minha preguiça de lado e decidi, de verdade, dar um passo importante em busca da minha saúde e bem estar. Já contei aqui um pouquinho da experiência quando tudo estava no começo, mas nesse último sábado, dia 3, fez um ano completo que passei por uma longa reeducação alimentar.

Esse post não é para doutrinar ninguém a fazer a Dukan, mas para contar o que aprendi ao passar por todo esse processo. As “lições” estão enumeradas, mas vocês vão perceber que uma coisa está ligada à outra. ;)

SAMSUNG CSCNo celular, eu em Santiago em setembro de 2014. Um mês antes de começar a dieta.

1) Se respeite e encontre a sua motivação

Acho que o ponto principal e inicial ao decidir passar por qualquer processo para emagrecer, seja 2, 12 quilos (como foi o meu caso) ou mais, é se respeitar. Conheço várias pessoas que começaram a Dukan e não continuaram por “n” razões. Umas desistiram no meio do caminho porque não aguentaram as restrições da dieta, outras porque se sentiram mal no meio do processo e não se adaptaram com o método. Saber qual o momento certo de começar, estar sintonizada com o corpo e entender qual o seu momento, seja para iniciar ou parar, e os seus limites é essencial. Não faça nada além do seu alcance ou do que o seu corpo pede. Tenha paciência e siga em frente, se o seu corpo permitir, claro. Sabe o lema “força, foco e fé”? Bem isso! rs

 

2) Os alimentos são seus amigos

Demorei a entender isso. Nunca fui boa de boca e posso dizer que, desde sempre, nunca fui chegada à uma variedade no prato. Era uma criança chata para comer, não comia várias coisas e era magra demais. Isso tudo se refletiu na vida adulta, claro, com exceção que – com a idade – ganhei peso. Fazer a Dukan me ensinou a experimentar novos alimentos. Com o tanto de restrição que tem, aprendi a dar chance a coisas que normalmente não comeria. Pois é, a restrição teve vantagens pra mim além da literal perda de peso. Aprendi a gostar de shitake, shimeji, abobrinha, chá gelado – muitas coisas que sempre torci o nariz – e a ficar feliz e satisfeita com um bom prato de salada. Antes comida integral me dava a sensação de “empachamento”, hoje como normalmente. Fritura em excesso, hoje, me dá um desarranjo intestinal daqueles. Comer bem faz com o que o seu corpo se adapte ao que é bom pra ele. Passei a entender que comida “fit” não é necessariamente comida ruim ou sem sabor. Vale dizer ainda que escolher alimentos saudáveis não te proíbe de jacar ali na frente. Mas te dá um discernimento de saber “pesar na balança” o que você tem que priorizar, sabe? Hoje eu como bem durante toda a semana. Evito frituras, carboidratos à noite e massa é só integral. Mas não abdico de comer um fast food, minha amada pizza ou beber a minha cerveja, no fim de semana. É só uma questão de saber moderar (e não ser “bitolada”).

 

3) Aprenda a ler as embalagens

A Dukan também me ensinou que o problema nem é tanto a quantidade do que você come, mas a qualidade do que você escolhe comer. Veja bem, não estou afirmando que tudo bem comer desenfreadamente ou compulsivamente. Todo exagero é nocivo. Me acostumei com o leite desnatado há cerca de 10 anos. Tirar o açúcar foi difícil, mas um pouco antes da dieta eu já estava acostumada a adoçar o meu café com leite diário com adoçante/stevia. Meu avô é diabético, minha glicemia nunca foi alta mas isso não quer dizer que eu não possa ter problemas adiante. Então, por que não se cuidar desde agora? Ter essa consciência do que é melhor pro corpo, saber ler as embalagens, entender a quantidade ideal de cada componente de um produto ou o tanto que é bom comer de cada alimento por dia, ajuda não só no seu bem estar a curto prazo, mas na sua saúde a longo prazo. Hoje não compro nada sem antes ler o rótulo, dou preferência a alimentos zero ou com pouco açúcar, sei – por exemplo – quais são as frutas com alto índice glicêmico (cereja, uva e banana são as “mais mais” #ficadica) e tento evitar come-las com tanta frequência. Também me policio a beber bastante água e não passo mais horas de estômago vazio. Tenho sempre um lanchinho ou uma fruta na mão. Ter esse conhecimento e informações ajuda a manter o equilíbrio.

 

4) Deixe a preguiça de lado e se movimente

Essa foi, e ainda é, a mais difícil de todas pra mim. Posso dizer que ainda estou aprendendo com essa. Sou uma pessoa extremamente preguiçosa e sedentária. Adoro dormir, pago pra evitar uma fadiga e minha cama/meu sofá são os melhores lugares da vida. Mas nunca tive preguiça pra andar. Então, durante a dieta, decidi que a esteira seria minha parceira e me comprometi a caminhar com o máximo de frequência possível. Andava cerca de 30, 40min por dia, quando me dispunha a frequentar a academia do prédio. Hoje em dia, não vou dizer que não tenho preguiça de levantar pra pegar o controle remoto (tenho sim, confesso), mas tento evitar o elevador e subo/desço os 3 andares até o meu apartamento de escada, quando o cansaço da rotina me permite. Ter disposição pra subir uma ladeira, sem ficar esbaforida não tem preço. Não é fácil, mas se forçar a ter certos hábitos, a se movimentar – evitar a escada rolante e/ou subi-la caminhando, como eu faço,  e não ficar parada, por exemplo – é muito importante para manter o corpo ativo. Isso, aliado a uma boa alimentação, te deixa mais disposta e ajuda na manutenção do peso.

 

5) Incorpore o que aprendeu e leve pra vida!

Quantas pessoas você conhece que perderam peso e logo depois ganharam tudo de novo? Emagrecer é um processo com início, meio e fim, mas manter os bom hábitos não tem prazo pra acabar. A Dukan ensina isso. O início pode parecer (e é) uma dieta bem restritiva, mas a partir do momento que você atinge a sua meta e fica de bem com a balança, vira uma constante. Você passa na verdade, ao meu ver, por uma reeducação alimentar. Entende o porquê sofria com o “efeito sanfona”, compreende as suas limitações, aprende como evitar ficar com o peso numa gangorra e passa a conhecer como ninguém o seu próprio organismo. Eu continuo comendo farelo de aveia todo dia, por exemplo, porque sei que ajuda o meu intestino a funcionar bem. Ou seja, vai de você pegar o que aprendeu e continuar colocando em prática.

 

Estou longe de ter a barriga chapada e nem tenho a pretensão de tê-la (quem sabe um dia? rs). Também não sou o poço da alimentação saudável, mas estou feliz com o que aprendi nesse último ano e super satisfeita com os 12 quilos que perdi – e que não pretendo reencontrar! E tenho certeza de uma coisa: esteja gordinha ou magrinha, continuo acreditando que o importante é estar de bem consigo mesma. Isso é um reflexo no espelho do que está dentro de você.

E isso, não tem dieta que ensine. :)

 

Para cachos: Garnier Fructis Cachos Poderosos

As cacheadas com certeza já viram pelo mercado a novidade de Garnier Fructis: a linha Cachos Poderosos! Tive a oportunidade de ir ao evento de lançamento e, após alguns dias testando o produto, vim aqui contar para vocês o que achei.

Antes disso vou contar o que o produto promete. Segundo a Garnier, a nova linha recria os cachos e memoriza sua forma por 72 horas. A fórmula de Fructis Cachos Poderosos apresenta combinação entre dois ingredientes: Filloxane e Seiva de Bambu. “Ambos reforçam e hidratam os cabelos cacheados, que perdem definição e elasticidade quando a fibra está fraca e com frizz. Cachos Poderosos traz uma linha completa de produtos composta por xampu, condicionador e creme de tratamento, além de duas grandes novidades em leave-in: Creme para pentear e o 1º óleo multiuso para cabelos cacheados”.

garnier-fructis-cachos-poderosos-linha-completa

Como meu cabelo ficou após usar a linha? As fotos estão abaixo! Aparentemente ficou bonito, apesar de os cachos não terem ficado tão bem definidos. Sinceramente, não achei o efeito memorizador dos cachos tão eficiente (pelo menos nos meus fios, não foi). Achei que no dia seguinte eu não teria tanto trabalho para colocar o cabelo no lugar, sabe? O óleo, por sinal, ajuda bem nessa tarefa. É um ótimo produto! Mas a linha, no geral, deixa um toque meio áspero nos fios (me lembrou um pouco – beeeem lá no fundo – os produtos da C. Kamura que falei aqui).

garnier-fructis-cachos-poderosos-cabelo-resenha

Quem acompanha o blog pelo Instagram (já segue lá? @hiloblog), com certeza, viu que sorteei a linha completa para uma leitora do blog há algumas semanas. A ganhadora foi a Vanessa e a segunda opinião sobre a linha, nesse post hoje, é dela:

garnier-fructis-cachos-poderosos-cabelo-leitora

Os cachos da Vanessa são diferentes dos meus. Talvez por isso ela tenha se dado melhor com a linha do que eu. Vai muito de cabelo para cabelo. Pra saber se você vai se dar bem, só testando mesmo. O óleo, pelo menos, parece que é unânime hein? #ficadica

avaliacaofinal_bom

No geral, achei a linha boa! Quem quiser apostar, abaixo tem os preços sugeridos para venda:

Xampu 200 ml – R$ 6,75
Condicionador 200 ml – R$ 8,00
Xampu 400 ml – R$ 8,90
Condicionador 400 ml – R$ 9,60
Creme de tratamento (350 g) – R$ 10,15
Creme de tratamento (1kg) – R$ 19,95
Creme para pentear (recriador de cachos) – R$ 8,25
Óleo – R$ 23,80

Alguém ai já testou?
Me conta nos comentários o que achou ;)

Look da Narda: vestido estampado com bota

Esse look usei um tempinho atrás pra ir ao evento da Marisa. A temperatura em São Paulo estava (e ainda está) meio maluca e, por isso, achei melhor colocar uma meia calça fina (fio 20). Apesar do vestido ser um tecido leve (chiffon), a manga 3/4 segura bem qualquer ventinho que possa rolar.

look_vestido_estampado_bota

look_vestido_bota_bordado

O detalhe no decote formando uma espécie de gola bordada é o que tem de mais especial nesse vestido. Dependendo dos acessórios, dá pra usá-lo de uma maneira mais casual (como eu fiz), informal (com uma rasteirinha, por exemplo) ou ainda mais arrumada (com sandália de salto). Me apaixonei por esse vestido e tenho achado ele bem versátil.

look_vestido_bota_brinco

O bacana do bordado também é exigir menos acessórios. Mesmo assim não dispensei um brincão. Escolhi um preto com brilhos bem discretos, pra não “brigar” com os canutilhos do decote.

look_vestido_estampado_bota_completo

Coincidentemente acabei escolhendo dois acessórios na cor cinza: bolsa e bota. Hoje em dia não tem mais essa regra de combinar as coisas assim. Em 99% das vezes eu não combino. São raras as exceções, como no caso desse look. E acho que isso vale inclusive pras bijuterias (misturar prata e dourado, pode sim!).

look_vestido_bota_bolsacinza

Como já comentei em um look anterior, adoro coordenar vestido com bota. Acho que é uma combinação perfeita para os dias de temperatura amena e, dependendo do modelo/tecido do vestido, fica super bacana pra usar com meia calça. Além disso a estampa da peça, com cores mais escuras, tem bem a cara de outono, o que deixa a combinação ainda mais apropriada.

look_vestido_bota_beirario

Essa bota tem um saltinho MEGA confortável. Comprei em uma remarcação pra substituir a minha antiga bota, que tinha da mesma cor. Adoro esse tom e acho que cai bem com praticamente tudo. O detalhe do cano, imitando um cano dobrado/virado, deixa a peça ainda mais atual, né?

Vestido: Marisa
Bolsa: Bendita Seja
Bota: Beira Rio (comprada na Renner)
Brinco: comprado no Centro de SP
Relógio: Casio

Gostaram? Me contem aí! ;)

Fotos: Maiara Maria

Página 10 de 195« Primeira...89101112...2030...195