Saldo positivo: vem, 2017!

Entra ano, sai ano, e sempre o ano vigente é considerado “o pior de todos”. Com 2016 não foi diferente e foi quase uma unanimidade . Eu poderia engrossar o coro, mas não vou. Pra mim, esse ano não poderia ter sido melhor!

Minha única promessa para 2016 não foi começar uma dieta ou emagrecer, mas levar as coisas com mais leveza. Não deixar que qualquer coisa me abalasse ou chateasse à toa. E posso dizer, com orgulho, que cumpri essa meta praticamente com louvor.

Finalizei 2015 sugerindo o “pote da gratidão” para esse ano. Confesso que não fiz como gostaria, pois foi difícil identificar um momento específico do meu dia do qual eu era grata, quando muitos deles pareciam não sair muito do padrão.

2016 me trouxe a realização de um grande desejo (posso até dizer, um sonho) que era latente já há alguns anos: ter um filho. E não tinha mais nada que eu pudesse ser mais grata. Com isso, posso dizer que a gravidez me deixou mais perto de Deus. Meu exercício de gratidão saiu do pote e se tornou orações diárias: para agradecer por mais um dia de vida e de saúde. Meus pedidos se limitavam a pedir proteção (a mim e ao bebê) e mais saúde, porque isso é o que importa, né?

Até o trabalho, estacionado em desafios já há alguns anos, foi menos difícil de levar. Esse ano estreitei relacionamentos com colegas de trabalho, que viraram amigas próximas, o que não tem nada melhor já que passo grande parte do meu dia com elas.

Sinceramente, não tenho do que reclamar. Descobri minha gravidez em fevereiro e com ela convivi durante quase todo o ano. Tive uma gestação tranquila, um parto do jeito que desejei, um filho saudável. O que mais eu poderia esperar desse ano? Pode parecer pouco resumir 365 dias num único acontecimento, mas a verdade é que ele foi um momento único, que vai reger todos os próximos dias, anos da minha vida.

Meu saldo de 2016 é mais que positivo. Posso dizer que esse ano, pra mim, vai ser pra sempre lembrado com carinho. Abaixo, 12 momentos preferidos de cada um desses 12 meses do ano.

rp_retrospectiva20161-e1483066530577.pngComemorando 8 anos juntos | Descoberta da gravidez | Show da dupla Oh Wonder | Meu aniversário com as amigas | Dia das mães com filhote na barriga | Presente lindo que ganhei de dia dos Namorados | Férias dos sobrinhos em SP | Chá do Tomás | Aniversário de casamento | Nascimento do Tomás | Ensaio da família | Nosso primeiro Natal juntos

 

Até 2017!

 

Ensaio família: 1 mês do Tomás

No último domingo fotografamos em casa, de novo com a Fernanda, a última parte do nosso ensaio. Dessa vez, com o Tomás com a gente! <3

A ideia era essa desde o inicio (dividir o registro em dois momentos), então preferi esperar pelo primeiro mês para que ele estivesse “maiorzinho” nas fotos. Ainda assim foi bem complicado fotografá-lo. Ele está passando por uma fase hormonal (pico de crescimento/salto de desenvolvimento) e passa o dia todo querendo colo ou mamar. E se não está em nenhum desses dois lugares, chora! rs

Graças a paciência de sempre da Fer, conseguimos várias fotos lindas que mostraram bem o que eu queria registrar com esse ensaio: a nossa família em um lar completo e cheio de amor.

Aqui algumas imagens:

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

ensaio-familia-newborn-recem-nascido

 

Leia mais

Sobre amamentação

image

Sempre morri de medo não conseguir amamentar.
A gente carrega histórias familiares e acredita que vai acontecer com a gente também. Demora a acreditar que cada história e pessoa é única.
Quando você fica frente a frente ao processo, acha que é uma coisa automática, instintiva, mas não é. Não é simplesmente plugar o bebê no peito e achar que ele vai fazer o serviço certinho. Às vezes o bebê tem uma pega linda, “de livro”, mas pode estar mal posicionado (e acabar fissurando o mamilo), pode não estar sugando direito, ser “preguiçoso” e não estar mamando efetivamente, não ganhar peso corretamente. E isso aconteceu aqui.
E o que fazer quando isso acontece?
Se você não tem confiança, estímulo e apoio, pode acabar desistindo. Ter orientação profissional – e aqui, de novo – que seja concordante com os seus desejos dentro do que é recomendado, claro, pra você e, principalmente, para o bebê e sua saúde é fundamental.
E por que que eu to escrevendo tudo isso?
Não pra reforçar o chavão do “não é facil”, até porque cada uma atribui o peso das dificuldades de um jeito diferente. Mas pra motivar (a mim também), a lembrar que buscar o melhor é querer sempre o bem, agora de uma pessoinha que depende 100% da gente.
Precisa se informar, precisa ter apoio e, principalmente, ser confiante.
Se livre de mitos e não desista!

Página 5 de 198« Primeira...34567...1020...198